Blog - Dicas e Notícias

Manutenção em Caldeiras

Manutenção em Caldeiras

Quando a sua caldeira não está realizando os serviços conforme esperado pode ser fundamental contratar uma empresa para fazer a revisão dos equipamentos e peças, uma por uma, após o problema persistir ou for descoberto a sua causa é de extrema importância que seja feita a manutenção em caldeiras por profissionais altamente qualificados.

Todo o serviço de manutenção em caldeiras é feito com o intuito de lidar com os erros que podem surgir durante o funcionamento de uma caldeira, que devem ser corrigidos, ao contrário podem mostrar riscos para todos os presentes, principalmente aqueles que trabalham no local, assim, é muito importante fazer a checagem e a correção de erros.

O serviço de reparo em caldeiras muito antigas, acima de 25 anos, é necessário a realização de ensaio não destrutivo, como ultrassom e líquido penetrante, este procedimento faz parte dos ensaios de integridade física para NR-13.

Qual a melhor empresa para fazer a manutenção em caldeiras de minha companhia?

A mais recomendada para qualquer processo envolvendo caldeiras e suas peças variadas é a Casa da Caldeira, atuando sempre com o máximo de competência possível para esses processos, entenda aqui como podemos solucionar todos os problemas com a sua necessidade de manutenção em caldeiras, que é um serviço altamente recomendado caso exista a necessidade.

Fundada em 1991 a Casa da Caldeira possui foco total em trabalhar para atender a todas as necessidades de seus clientes, sempre atuando com os mais inovadores serviços de todo o mercado, sem negar atenção aos mínimos detalhes, que podem sempre trazer uma manutenção em caldeiras para as suas necessidades, que variam de acordo com o segmento.

Além da manutenção em caldeiras a Casa da Caldeira também oferece a venda de diversos produtos para o reparo de seus equipamentos, como peças que podem ter sido estragadas e se tornado o motivo da manutenção em primeiro lugar, assim, conte conosco para fornecer os produtos adequados, temos um armazém próprio para pronta entrega!

Mandril Expandidor de Tubos

Mandril Expandidor de Tubos

O mandril expandidor de tubos é uma ferramenta utilizada para expandir a extremidade de um tubo, essa ferramenta também é capaz de rebordear tubos, e expandir sem que cause algum dano ao tubo, seja ele de aço carbono, ou aço inoxidável. Existem diversos tamanhos para expansão de um tubo de acordo com o seu diâmetro interno.

O mandrilamento pode ser de duas formas, manualmente, sendo apertado com uma chave própria, ou por uma mandrilhadora que pode ser acionada de forma pneumática ou elétrica.

É importante falar que o diâmetro apresentado para a tubulação é o diâmetro interno, para que o equipamento de mandril expandidor de tubos possa entrar com qualidade e sair apenas após a boca ser alargada completamente, o que garante assim o tamanho exato que era buscado para as operações de alargamento, atuando de 1” até 4”, como uma expansão máxima de 101.00 mm.

Pode ser utilizado com uma Mandrilhadora Elétrica, ou Pneumática para agilizar o processo.

Estamos à disposição para quaisquer dúvidas, de como utilizar o mandril para expansão de tubos.

Casa da Caldeira
Paiçandu/PR
(44) 3244-1734

Secador de Grãos. Fornalha a Vapor EIT

FORNALHA A VAPOR EIT PARA SECADORES DE GRÃOS E SEMENTES

Com a instalação do Sistema de Aquecimento de Ar a Vapor EIT nos secadores de grãos obtém-se melhor aproveitamento do calor do combustível, além de eliminar o contato dos gases de combustão (Fumaça e fagulhas) com o produto, melhorando significativamente a qualidade dos grãos e eliminando a contaminação com Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos (HPAs), substâncias com alto potencial carcinogênico, geradas pela combustão incompleta de matéria orgânica, principalmente da lenha.

Confira mais informações :

http://www.caldeiraseit.com.br/home/fornalha-a-vapor/

fornalha a vapor

fornalha para secagem de grãos

Acesse: http://www.caldeiraseit.com.br/home/fornalha-a-vapor/

certificado de calibração válvula de segurança

Manutenção, Calibração e Aferição em Válvulas de Segurança

Manutenção, Calibração e Aferição em Válvulas de Segurança

A Calibração das Válvulas de Segurança, é de suma importância para segurança operacional do equipamento/caldeira.

Segundo a Norma Regulamentadora NR13, a não calibração dos dispositivos de segurança é considerado RGI (risco grave e iminente).

Conforme item 13.4.4.8 da NR-13:

As válvulas de segurança instaladas em caldeiras devem ser inspecionadas periodicamente conforme segue:

A) pelo menos 1 (uma) vez por mês, mediante acionamento manual da alavanca, em operação, para caldeiras das categorias B e C.
B) as válvulas flangeadas ou roscadas devem ser desmontadas, inspecionadas e testadas em bancada (Anualmente).

A EIT Caldeiraria Ltda, realiza manutenção e aferição de Válvulas de Segurança.

Procedimentos para Aferição da Válvula de Segurança em bancada:

1 – Retirada Válvula de Segurança do local instalado;
2 – Enviar para empresa especializada e capacitada em manutenção da válvula;
3 – A Válvula de Segurança é desmontada, e após a realização da manutenção necessária, será aferida, lacrada
4 – Válvula é enviada para empresa com o Laudo de calibração;
5 – A Válvula de Segurança está pronta para ser instalada novamente no local.

Obs: A Caldeira não poderá funcionar sem a Válvula de Segurança, para fazer o procedimento, tenha uma válvula de segurança calibrada para substituir a válvula que será retirada e enviada para aferição em bancada, até que a mesma retorne calibrada.

EIT Caldeiraria Ltda

Qualquer dúvida, estamos a disposição para esclarecimentos

Luiz Gustavo
Casa da Caldeira
(44) 99907-0808

Inspeção de Segurança

A inspeção de segurança conforme NR 13, trata-se de uma exigência do Ministério o Trabalho, com o objetivo de estabelecer requisitos mínimos para gestão da integridade estrutural de caldeiras a vapor, vasos de pressão e suas tubulações de interligação nos aspectos relacionados à instalação, inspeção, operação e manutenção, visando à segurança e à saúde dos trabalhadores.

A empresa através de seu empregador, é o responsável pela adoção das medidas determinadas na NR 13, devendo portanto estar ciente da obrigatoriedade para maior segurança das inspeções de segurança em caldeiras, vasos sob pressão e tubulação.

Estas inspeções de Segurança auxiliam na:
– Detecção dos riscos que possam contribuir para a ocorrência de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais;
– Redução significativa do número de acidentes;
– Elevar o interesse dos trabalhadores pelas questões de segurança e saúde do trabalho;
– Diminuição da ocorrência de danos ao patrimônio físico da empresa;
– Redução dos encargos trabalhistas e previdenciários.

Tipos de Inspeção de Segurança em caldeiras conforme NR-13:

Inspeção inicial: deve ser realizada por profissional habilitado, em caldeiras novas, antes de sua entrada em operação, visa a detecção e a eliminação dos riscos já no seu início, sendo assim uma ótima ferramenta no combate aos acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.

Inspeção Periódica: é realizada anualmente em períodos preestabelecidos, compreendendo exame interno e externo.

Inspeção Extraordinária: deve ser realizada:
a) sempre que a caldeira for danificada por acidente ou outra ocorrência capaz de comprometer sua segurança;
b) quando a caldeira for submetida à alteração ou reparo importante capaz de alterar suas condições de segurança;
c) antes de a caldeira ser recolocada em funcionamento, quando permanecer inativa por mais de 6 (seis) meses;
d) quando houver mudança de local de instalação da caldeira.

Inspeção de integridade: No máximo, ao completar 25 (vinte e cinco) anos de uso, na sua inspeção subsequente, as caldeiras devem ser submetidas a uma avaliação de integridade com maior abrangência para determinar a sua vida remanescente e novos prazos máximos para inspeção, caso ainda estejam em condições de uso.

CURSO DE OPERADOR DE CALDEIRAS JUNHO/2015

A CIM  – Consultoria Industrial Maringá

Informa Sobre o :

CURSO DE OPERADOR DE CALDEIRAS

INICIO: JUNHO/2015 – Aulas aos sábados (integral)  –  EM MARINGÁ/PR

EXIGIDO PELO MINISTÉRIO DO TRABALHO ATRAVÉS DA Norma Regulamentadora NR-13…..

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES:

FONE:  (44)3262-8304 e (44) 3041-6002

Falar com:  KAROL OU CRISTIANE 

e-mail: cim@wnet.com.br e/ou consultoriaindustrial2@hotmail.com

NR-13 Ampliada

Recentemente revisada, a NR 13 passou por mudanças importantes sobre elaboração e execução de planos de inspeção em tubulações. Outras alterações também foram realizadas na intenção de deixá-la mais compacta e prática. A última revisão significativa do texto foi em 1994, quando foram inseridos conceitos inovadores para a época.Mais um trabalhador perdeu a vida este ano após acidente envolvendo uma caldeira. Em 28 de fevereiro, Agnaldo Franco de Campos, funcionário de uma fazenda produtora de alimentos derivados do leite, em Amparo/SP, não resistiu aos graves ferimentos, causados após ser atingido pela explosão da caldeira instalada no local. Segundo bombeiros que atenderam à ocorrência no dia anterior, Campos havia sofrido queimaduras de terceiro grau nos braços e nas costas, além de traumatismo craniano. Ele esteve internado no hospital da cidade após o acidente, junto a outro funcionário que trabalhava próximo à caldeira na hora da explosão. Este segundo trabalhador também teve queimaduras de terceiro grau, e seguia internado até o fechamento desta edição.Em outubro do ano passado, outra ocorrência chamou a atenção do setor. Quatro trabalhadores de uma siderúrgica localizada na zona rural de Várzea da Palma, região norte de Minas Gerais, ficaram feridos após explosão de uma caldeira. O impacto foi tão grande que algumas vítimas foram atiradas a 20 e 30 metros de distância; uma delas morreu no local, outras duas inalaram fumaça e uma terceira sofreu ferimentos leves. Na ocasião, o Corpo de Bombeiros informou que os trabalhadores realizavam um serviço de solda em um elevador de canecas que transportava matéria-prima para a parte superior da siderúrgica. Repentinamente, se depararam com uma explosão, seguida de incêndio. De acordo com testemunhas, as vítimas estavam na central de comando do elevador quando as chamas se propagaram. Ambos os acidentes encontram-se sob investigação pelos órgãos competentes.Estes são apenas alguns exemplos de ocorrências envolvendo equipamentos sob constante pressão, como as caldeiras. Explosões e incêndios estão entre os acidentes mais comuns em se tratando de ambientes que se valem deste tipo de sistema para gerar energia – e, não raramente, deixam mortos e feridos.

Trabalhadores que atuam em área de caldeiras, vasos de pressão e tubulações também ficam expostos ao risco de choques elétricos, intoxicações, quedas, ferimentos, calor radiante e sensível, queimaduras, ruído. No caso das explosões, elas costumam ser causadas pelo superaquecimento, levando o material que constitui os equipamentos a temperaturas extremas, superiores às admissíveis. Assim, a resistência do material é reduzida, criando o risco de rompimento.

Estes e tantos outros acidentes justificam a mais recente revisão da Norma Regulamentadora 13, que teve seu título atualizado para Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações. A inclusão do item tubulação é uma das novidades do texto atual, alterado pela Portaria MTE nº 594, de 28 de abril de 2014, publicada em 2 de maio no Diário Oficial da União.
O coordenador da CNTT (Comissão Nacional Tripartite Temática) da NR 13 – responsável pela nova redação -, engenheiro de Segurança do Trabalho Roque Puiatti, explica que, ao determinar os tópicos para a revisão, a Comissão considerou, principalmente, as demandas advindas da comunidade técnica, dos auditores fiscais do Trabalho e de diversas entidades e representações envolvidas com a operação, manutenção e inspeção de caldeiras e vasos de pressão. Além da experiência acumulada na aplicação da NR 13 durante os mais de 19 anos de vigência de sua última revisão.

“O advento da certificação de SPIE (Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos), que atualmente envolve parte considerável das grandes empresas dos ramos petróleo, químico e petroquímico, ofereceu uma base de dados importantíssima para a avaliação do processo da NR 13, apontando, a priori, uma série de pontos da norma passíveis de mudanças“, comenta Puiatti. Vários integrantes da CNTT NR 13 são membros da ComCer (Comissão de Certificação de SPIE), com acesso ao histórico minucioso dos dados obtidos nos diversos processos de certificação – incluindo o de incidentes e acidentes envolvendo os equipamentos controlados.

A contribuição dos auditores fiscais do Trabalho também foi válida, uma vez que estes profissionais se defrontam diariamente com problemas em caldeiras e vasos de pressão, dos mais variados portes e características, concluindo em alguns casos pela necessidade de revisão, ajustes de itens e aspectos da normatização, para propiciar condições mais seguras no trabalho. “A participação e demandas do movimento sindical revelaram-se instrumentos potencializadores na busca de uma NR mais adequada às necessidades do nosso tempo para a proteção dos trabalhadores“, avalia o coordenador da Comissão.

Alguns dos setores abrangidos pela NR 13 são as indústrias alimentícia, álcool-açucareira, óleo e gás, química e petroquímica, e farmacêutica. “Estas indústrias serão as mais impactadas, por terem um acervo maior desses itens em seus ativos. Os pequenos usuários de vasos de pressão e caldeiras também terão, num primeiro momento, um impacto significativo em virtude de uma maior dificuldade de adequação a algumas modificações propostas, inerente à sua capacidade técnica e econômica“, prevê o engenheiro Francisco Marques, coordenador da bancada patronal na CNTT e consultor sênior da Petrobras.

Confira a reportagem completa na edição de junho da Revista Proteção.

Fonte: Data:01/06/2014 / Fonte: Revista Proteção – Priscilla Ney